21 de Novembro, 2013 ŕs 15:55 Por: Kaplan

Orgias no Nordeste

tags: Tambaba, grupal, hotel, naturismo, chuva, jogo, boquete,
Esse conto possui 1879 visita(s).

(escrito por Kaplan)

Sempre que vou ao Nordeste, faço questão de esticar até João Pessoa e sua famosa praia de naturismo, Tambaba. Considero aquela praia o paraíso, literalmente, lugar onde se entra em contato com a natureza de forma plena, onde não há lugar para exibicionismos. A nudez total parece que consegue impedir os engraçadinhos de se manifestar, e todos ali convivem harmoniosamente.
Claro que isso não impede que admiremos os corpos. Vez ou outra aparecem algumas deusas e deuses, com corpos sarados, e nada impede que os admiremos. Apenas todos se controlam, ali não é espaço para safadezas...
Neste verão, mais uma vez eu e Meg, fomos para lá. Compramos um pacote e pegamos o avião num sábado pela manhã. Desembarcamos em Recife e um ônibus nos levou por uma bela estrada até João Pessoa. Como a viagem dura duas horas, eles aproveitam para começar a entrosar o grupo, que aliás era bem diversificado. Havia paulistas, mineiros, catarinenses, e um casal de gaúchos. Lá chegando, os guias foram levando as pessoas para seus respectivos hotéis. No hotel em que ficaríamos, havia mais quatro casais, dois paulistas e dois conterrâneos nossos.
Não pude deixar de admirar uma das conterrâneas, mulher belíssima, morena de longos cabelos lisos, cerca de 35 anos, que estava com o marido. O outro casal conterrâneo era de namorados, na faixa dos seus 26 anos.
Os guias disseram que o restante do dia seria livre, nos indicaram que poderíamos ficar na praia em frente ao hotel. O domingo também seria livre, na segunda é que o ônibus nos pegaria para o famoso citytour. Como eu e minha mulher já conhecíamos a cidade, não iríamos nesse passeio. Fomos para o quarto e como já era de tardinha, entramos num banho delicioso. Aproveitamos para dar a primeira trepada em terras paraibanas naquele verão... Se soubéssemos o que estava por vir....
No jantar, à noite, acabamos os três casais conterrâneos sentados na mesma mesa. A morena belíssima se chamava Letícia e seu marido Geraldo. O casal de namorados atendia por Ronaldo e Débora. Nenhum deles conhecia a cidade e suas praias. Como nós já conhecíamos, demos algumas indicações e falamos das praias que gostávamos, a de Coqueirinhos e a de Tambaba. Letícia ficou super interessada.
Disse que ouvira falar e que ela e o marido teriam muito interesse em conhecer. Disse a eles que, se quisessem, poderíamos ir no dia seguinte, já que a programação era livre. Toparam na hora. Percebi que o casal de namorados ficou meio indeciso, mas pressionei no sentido de decidirem, porque teríamos de alugar um carro e o tamanho do veículo dependeria de quantas pessoas iriam... percebi que o Ronaldo cutucava Débora com a perna, tentando convence-la, o que finalmente conseguiu.
Terminado o jantar, fomos até uma empresa que alugava carros e combinamos de pegar no domingo, bem cedo. Combinamos com os dois casais de descermos assim que o café começasse a ser servido, pois Tambaba fica bem a uma hora de distância do hotel. Dessa forma, às 8 horas em ponto estávamos de saída. Débora ainda continuava meio tímida, sem saber se era aquilo mesmo que ela queria. Seu namorado, pelo contrário, estava muito interessado na praia.
Durante o trajeto fui dando uma explicação para eles sobre o que era naturismo, para que eles não ficassem surpresos ou chocados com a praia.
Quando finalmente chegamos, passamos pela primeira praia e nos dirigimos para a segunda, que é a de naturismo, fomos recebidos por um simpático senhor, completamente pelado, que nos deu sacos plásticos para guardarmos as roupas. Como eu e Meg já éramos velhos conhecidos do local, não levamos nem sunga nem biquini. Eu estava de bermuda e ela de shortinho e camiseta. Assim, fomos os primeiros a ficar nus, pois os outros estavam vestidos como se fossem a uma praia normal. Meio sem jeito, os quatro foram caminhando atrás de nós até as mesas do restaurante.
A praia ainda estava bem deserta. Sentamo-nos, ficamos admirando as ondas do mar, e, claro, ninguém é de ferro, começamos a tomar cervejas geladíssimas. Eu e Meg fomos fazer uma caminhada e comentamos como os nossos novos amigos estavam constrangidos ainda. Mas notei que eles reparavam muito em nós dois. Eu estava de olho em Letícia, tinha um corpão divino, tudo no lugar, seios belíssimos, bunda arrebitada, uma xotinha cabeluda (aliás, as 3 tinham, para minha alegria, pois adoro uma matinha para ser acariciada...) Débora também era bonita, mas um pouco cheinha, se perdesse uns 5 quilos ficaria no ponto!!!. Meg, para variar, já examinara detidamente os dois cacetes que acabara de conhecer e se entusiasmara com o do Ronaldo, grande, grosso... O de Geraldo era parecido com o meu. Geraldo, por sua vez, não tirava os olhos de Meg e volta e meia tinha de correr para a água para se refrescar.....se é que vocês, leitoras e leitores, me entendem....rsssss......
Passamos um dia maravilhoso. Aos poucos a praia foi se enchendo, mas não muito, o que levou nossos amigos e amigas a se sentirem mais à vontade. No final da tarde, todos já tinham tirado fotografias ( só vou mostrar uma...desculpem....), estávamos enturmados, felizes... Quando voltamos ao hotel, a opinião de todos era unânime: era preciso voltar lá...se possível todos os dias. Débora, que tinha sido tão tímida de manhã, dizia agora que não queria conhecer mais nada... que se não fossemos, ela iria sozinha todos os dias. Acabamos chegando à conclusão de que poderíamos voltar mais vezes sim, mas que pelo menos em dois dias, deveríamos explorar e conhecer outras praias....
A segunda-feira, no entanto, amanheceu chuvosa... daquela chuva de verão que chega de mansinho e fica o dia inteiro....nosso plano de voltar a Tambaba se frustou. Eles então foram para o tal do citytour e Meg e eu ficamos no hotel.
Fomos para a cama, depois do café da manhã e ficamos comentando sobre o dia anterior. Ela não se cansava de elogiar o pau do Ronaldo, dizia que devia ser uma maravilha quando duro... Eu, para apimentar, perguntava se ela queria experimentar...
Ela dizia que sim, e eu contrapunha que só deixaria se o Geraldo me cedesse a Letícia... E quando conversávamos sobre isso, nos excitávamos e ela vinha por cima de mim, sentava-se em meu cacete e ficava me chamando de Ronaldo, e eu a chamava de Letícia e as trepadas eram homéricas.... trepamos umas três vezes aquela manhã, enquanto lá fora a chuva caía fininha...
Quando o citytour terminou, nossos novos amigos chegaram e estavam decepcionados com a chuva que não acabava. Propus que ficássemos no hotel mesmo, podíamos ir para o salão de jogos e nos distrair. Toparam e lá fomos nós, mas quem disse que se podia distrair com adolescentes e crianças ao lado, gritando sem parar e fazendo um barulhão com o futebol-totó e querendo que deixássemos que eles também jogassem pingue-pongue e sinuca??? Era o inferno na terra, aquela sala de jogos.... desistimos.
Lembrei-me então de que havia trazido um baralho e propus que fossemos ao nosso quarto para jogar. Lá fomos nós...
Depois de muita discussão, percebemos que o jogo que todos conheciam era o velho e bom Buraco. Assim, formamos as duplas, que eram os próprios casais, e demos início. Ronaldo e Débora venceram a primeira, eu e Meg vencemos a segunda. Foi aí que Letícia, que começava a se revelar muito safadinha, propôs que jogássemos valendo alguma prenda...
- O que? Todos perguntaram...
- Ora, já que nós nos vimos nus ontem, que tal aquela brincadeira de quem perde tira uma peça de roupa?
Como nós enxugávamos latinhas de cerveja enquanto jogávamos e todo mundo já estava bem alegre, todos toparam. Percebi a satisfação nos olhos de Meg, pois iria poder ver bem de perto o cacetão do Ronaldo... de minha parte, pensar que teria ao meu lado esquerdo os seios e xotinha de Letícia e de Débora....hummmmmmmmm..... aquilo me pareceu divino....
Começamos então o terceiro jogo e, para variar, Letícia e Geraldo perderam de novo. Como era dupla, os dois tinham de pagar.... ele tirou a camiseta e ela tirou o top, libertando aqueles dois seios monumentais, que ficaram pertinho de meus olhos... a gente estava quase se encostando, pois a mesa em que jogávamos era muito pequena. A segunda partida, a derrota foi minha e de Meg. Como eu estava só de bermuda, não teve jeito...tirei-a e fiquei totalmente pelado... Meg tirou a camiseta e também exibiu seu belo par de seios, o que fez Geraldo arregalar os olhos, pois ela estava bem de frente para ele.
Felizmente a terceira partida quem perdeu foram eles, de novo... Letícia tirou o short, ficando apenas de calcinha e dava para ver que ela já estava bem umedecida... Geraldo tirou a bermuda, e estava sem nada, então acabou ficando pelado também.
Brinquei com ele:
- Geraldo, temos de fazer a Débora e o Ronaldo perderem....estamos ficando em desvantagem aqui....
Todos riram muito e a quarta partida teve início... Durante ela e quase me desconcentrando, Letícia encostava sua perna na minha.... ela não deveria ter feito aquilo... meu pau começou a manifestar interesse na coisa... ela viu e, sorrateiramente, colocou a mão nele, por debaixo da mesa, fingindo que estava coçando sua perna.... ele quase explodiu, de tão duro....eu suava frio e percebia que Geraldo e Meg estavam sacando direitinho o que estava acontecendo... mas eu torcia para o Ronaldo perder, para alegrar Meg um pouco....e felizmente, não deu outra, aquela quarta partida eles perderam...Débora tirou a camiseta, deixando que todos pudessem ver seus belos e pequenos seios, enquanto Ronaldo tirava a bermuda, deixando aquele cacetão à solta, já meio endurecido, pois ele estava percebendo o que estava acontecendo...
Demos um intervalo e ficamos conversando e bebendo mais algumas cervejas bem geladas.... O clima começava a ficar interessante, mas os 3 homens estavam evitando se levantar, pois todos os três paus estavam já armados para o combate. Pisquei para Meg e ela entendeu... Chamou Letícia e Débora para lhe ajudarem nos petiscos e quando voltaram ela já havia convencido as duas... as três chegaram também nuas, cada uma com um prato na mão e se sentaram ao lado dos machos que escolheram... Letícia veio para mim, Meg foi para Ronaldo e Débora para Geraldo..... Estabanada, e meio sem jeito, Débora derramou a lata de cerveja em cima de Geraldo. Meg e Letícia deram um tempo e foram ajudá-la a lamber toda a cerveja, teve hora que as três estavam com a boca no pau dele, que quase explodia de tanto tesão....enquanto elas o lambiam, Ronaldo e eu caímos de boca nas bundas de Letícia e Meg, lambendo o cuzinho delas e levando a língua até as xotinhas molhadas.... quanto mais as excitávamos, mais elas deixavam Geraldo excitado, lambido, mordido...
Meg puxou Ronaldo para o lado e pôde então se deliciar com o cacete que ela estava admirando desde o primeiro dia... Deu um banho de língua nele, fazendo com que ele gozasse, derramando porra no corpo dela quase todo...
Eu e Débora fazíamos coisas mais comportadas, era visível a timidez dela, com certeza era a primeira vez que participava de algo diferente assim. Aproveitei para ensinar coisas a ela, proporcionando-lhe muito prazer, pois arfava de tesão o tempo todo, e quase gritou na hora em que a penetrei.... Enlouquecida, ela pedia mais, pedia para meter com força, o que fiz prazeirosamente até me derramar todo dentro dela.
Quando me refiz, vi que os outros dois casais já tinham terminado também... Débora catou Ronaldo pela mão e disse que por aquele dia estava ótimo, mas eles já iriam se recolher, o mesmo acontecendo com Letícia e Geraldo.
Foi uma noitada incrível, que ainda rendeu bons frutos para todos, como viemos a saber no dia seguinte...cada casal, em seu quarto, ainda transou selvagemente devido às emoções daquela troca de casais....

Comentários

Ainda năo há comentários para esse conto.