Ler mensagens sem resposta | Pesquisar por tópicos ativos Bem-vindo: 26 Abr 2017 16:34



Responder  [ 1 mensagem ] 
 O DESINTERESSE SEXUAL E A SEXUALIDADE HUMANA 
Autor Mensagem
Avatar do usuário

Registrado em: 02 Set 2013 22:26
Mensagens: 8
Enquanto a maioria das espécies animais do planeta usam o ato sexual somente para a procriação, a espécie humana talvez seja a única na qual sexo é prazer, esporte e obsessão. Juntamente com o dinheiro, a fome e o desejo pelo poder, o sexo é uma força primária de motivação.

Muitas mudanças têm ocorridas sob o ponto de vista sexual nos últimos 30 anos e com os perigos das doenças sexualmente transmissíveis, especialmente a AIDS, o ser humano vem se tornando cada vez mais monogâmico e. quando teria tudo para estar satisfeito em seus relacionamentos, a humanidade nas últimas décadas vem cada dia mais, apresentando como num crescente, queixas de falta de interesse sexual.

O stress e a nutrição são importantes fatores na vitalidade sexual, sendo o stress, particularmente o stress mental na forma de preocupação, trabalho em excesso e problemas financeiros podem interferir com a energia sexual e sua expressão na forma de desejo. Por outro lado, os problemas sexuais podem ser a fonte de ansiedade e infelicidade.


Para uma saudável função sexual temos que estar com as funções orgânicas em perfeito funcionamento e um equilíbrio no sistema endócrino, produzindo os hormônios necessários. A baixa função da Glândula Hipófise pode levar a uma diminuição no desenvolvimento dos órgãos sexuais, a menopausa precoce nas mulheres e a impotência nos homens. As glândulas Supra-Renais apresentando deficiência podem reduzir o desejo e a potência para o sexo e aumentar a sensibilidade ao stress. Certas disfunções da glândula Tireóide podem causar uma perda do desejo ou capacidade para o sexo. No homem, a baixa função testicular reduz o interesse sexual e a produção de esperma. Nas mulheres, baixos níveis de estrogênio reduzem a maturidade sexual, reduz o tamanho das mamas e retarda a maturação dos óvulos. O desequilíbrio entre o estrogênio e a progesterona também pode causar uma série de sintomas relacionados com o desejo sexual.


Para uma relacionamento sexual satisfatório, particularmente as mulheres, necessitam um envolvimento amoroso e ter energia sem estar fatigada, além de um perfeito equilíbrio hormonal que permita emoções prazerosas e um bom nível de relaxamento com um bom desejo sexual. Já os homens, precisam principalmente, de uma boa circulação sangüínea para criar a ereção peniana, vitalidade física e uma boa função hormonal. Entretanto o que mais observo no dia-a-dia do consultório é se apresentarem pessoas de ambos os sexos que parte dessas funções estão adequadas mas o desinteresse sexual é uma constante.

Desde Sigmund Freud a ciência tenta explicar as conexões entre a sexualidade e o bem-estar físico e mental. Quando o pai da psicanálise escreveu seu ensaio sobre ansiedade e neurose, em 1895, dando uma ênfase até então inédita à sexualidade, choveram críticas. Freud achou melhor rebatê-las em um outro artigo, no qual foi ainda mais enfático. Freud escreveu: "Muitas doenças mentais e as fobias, em especial, não ocorrem quando a pessoa leva uma vida sexual normal". Sobre a pedra fundamental das análises de Freud ergueu-se um monumental edifício de estudos da sexualidade e de seu impacto sobre outras dimensões vitais do ser humano. Os médicos investigam com crescente interesse como as carências sexuais podem produzir doenças físicas e psicológicas e, por outro lado, como certas moléstias afetam o desempenho e a satisfação sexual.

Muitos outros fatores, além do stress, insatisfação profissional ou familiar, podem afetar o desejo e a performance sexual. O álcool, o tabagismo, excesso de café, a maconha e a cocaína e até mesmo o açúcar são as “drogas do prazer” que podem reduzir a vitalidade sexual, assim como muitos produtos farmacêuticos, como os tranqüilizantes, anti-hipertensivos, beta-bloqueadores, diuréticos, pílulas anticoncepcionais e alguns hormônios.



Na década de 90, a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu o sexo na lista dos parâmetros utilizados para definir a qualidade de vida de uma pessoa. Os outros são: capacidade de trabalhar, não depender de ninguém para as tarefas do dia-a-dia e manter um convívio familiar e social satisfatório. O sexo seguro, freqüente e prazeroso, explicam os médicos, pode proteger o coração, evitar a insônia, aliviar o stress, fortalecer o sistema imunológico, combater a ansiedade, regular o humor, emagrecer e até atrasar um pouco o ritmo do envelhecimento.

As delícias (ou não) da alcova repercutem em todas as esferas da vida de uma pessoa. Oito de cada dez brasileiros (homens e mulheres) vítimas de problemas sexuais declaram que suas aflições afetam o trabalho, o convívio com os filhos, as relações sociais, o lazer. Sem contar, obviamente, o desgaste do relacionamento com o parceiro

Os homens sentem-se menos homens e as mulheres, menos mulheres. É enorme o abismo que separa os homens com problemas de ereção dos que não têm disfunção alguma. Dos primeiros, 41,6% se declaram satisfeitos consigo próprios. No outro grupo, esse índice sobe para 85,5%.


Com o aumento da expectativa de vida da população, nada mais natural que o sexo de boa qualidade passe a ser uma exigência de homens e mulheres mais maduros. Viver mais significa prolongar os encontros amorosos para além da fase áurea da sexualidade, que vai dos 20 aos 40 anos. Com o passar do tempo, porém, não é fácil manter a libido a mil.

Uma pesquisa mostrou que para a maioria das mulheres entre 18 e 25 anos, a vida sexual mudou para melhor desde a primeira relação. Para quem tinha mais de 46 anos, a mudança foi para pior. Com a chegada da menopausa, há uma queda nos níveis dos hormônios sexuais, o que reduz o aporte de sangue e o tônus muscular da região genital. A vagina fica menos elástica, e a lubrificação do órgão torna-se mais difícil. Conseqüentemente, as respostas às carícias e ao próprio ato sexual já não são tão rápidas nem tão intensas quanto eram na juventude. Uma jovem de 20 anos demora, em média, vinte segundos para sair do patamar do desejo e chegar à excitação. Numa mulher com mais de 50 anos, esse processo leva até três minutos. Com os homens não é diferente. Um mesmo estímulo sexual que, na juventude, saía do cérebro e deixava o pênis ereto em apenas três segundos demora dois minutos para fazer efeito no homem de meia-idade. Com a redução do fluxo sanguíneo para o pênis e a flacidez dos músculos penianos, a ereção torna-se menos potente e o orgasmo, mais difícil.

Cerca de 66% dos brasileiros apresentam, em menor ou maior grau, dificuldade de ereção – e, quanto mais elevada a faixa etária, maiores são a prevalência e a severidade da disfunção.

Geralmente é possível recuperar o fôlego na cama com a adoção de hábitos mais saudáveis – a combinação de uma dieta equilibrada com a prática regular de exercícios físicos. Se não funcionar, a medicina dispõe de uma série de armas capazes de devolver o prazer perdido. Os grandes beneficiados pelas invenções da indústria farmacêutica são os homens.

O marco no tratamento das disfunções sexuais masculinas foi o lançamento, em 1998, da primeira pílula contra disfunção erétil – o Viagra. A ela se seguiram outras (Cialis, Levitra e Uprima, entre as mais conhecidas) que exorcizaram o fantasma da impotência da vida de milhões de homens. Os problemas de ereção passaram a ser tratados de maneira bastante simples. Nada a ver com os dispositivos antigos, como injeções ou bombas a vácuo. Os velhos artifícios, além de aniquilar com o romantismo de qualquer encontro amoroso, afastavam a maioria dos homens dos consultórios médicos. Graças aos remédios orais antiimpotência, nos últimos cinco anos quadruplicou o número de brasileiros que procuram ajuda para seus problemas sexuais.

Das queixas sexuais masculinas, a dificuldade de ter ou manter a ereção é a mais prevalente. Entre os homens mais jovens, especialmente dos 18 aos 25 anos, o grande tormento, porém, é a Ejaculação Precoce – aquela que ocorre menos de dois minutos depois do início do ato sexual. Se não tratada, pode levar à impotência. Suas principais causas são a ansiedade e a insegurança. Por isso, o tratamento-padrão envolve o uso de antidepressivos com sessões de psicoterapia.

Recentemente foi lançado o primeiro medicamento indicado especificamente para o tratamento da Ejaculação Precoce. É a droga de nome químico Dapoxetina, que também é um antidepressivo. A diferença é que, ainda não se sabe exatamente por que, seus efeitos sobre a ejaculação precoce são muito mais rápidos. Os convencionais demoram até dez dias para começar a fazer efeito. A Dapoxetina promete levar, no máximo, quatro horas para chegar aos mesmos resultados.

Texto do Dr. Rogério M. Alvarenga


12 Nov 2014 18:13
Perfil
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Responder   [ 1 mensagem ] 

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Bing [Bot] e 1 visitante


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Procurar por:
Ir para:  
Powered by phpBB® Forum Software © phpBB Group
Designed by ST Software.
Traduzido por: Suporte phpBB